TUNTUM: Ivalton é reeleito presidente da Câmara; Jeová, traído, é derrotado

Em sessão extraordinária, foi realizada hoje, de forma antecipada, a eleição para o próximo biênio (2023/2024) da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Tuntum, sendo reconduzido como presidente o vereador Ivalton Chaves (PSD). Votaram a favor de Ivalton os seguintes vereadores: Valcenor Carvalho, Josinaldo Bílio, Joaceles Araujo, Pablo Cunha Brasil, Alan Noleto, sérgio do Nanxin, Magno Melo, José Solisvan e Dorian Tanoca. O vereador Jeová Soares (SD) não pôde concorrer porque não reuniu o número suficiente de vereadores para a formação da chapa, já que o número mínimo é de quatro vereadores. Se opuseram a chapa vencedora Jeová Soares, Renan Bílio e Zé de Ourinho.

O vereador Ivalton conseguiu reunir um maior número de adeptos com uma forte campanha de bastidores que se iniciou desde o ano passado, que supostamente contou com o apoio do prefeito Fernando Pessoa, com quem mantem um relacionamento muito próximo. Com a estrutura da presidência e o possível apoio do prefeito, Chaves fez uma articulação pesada contra os apoiadores de Jeová conseguindo cooptar de última hora três vereadores que já se diziam aliados de Jeová, Pablo Brasil, Dorian Tanoca e seu primo Valcenor Soares de Carvalho. Segundo Renan Bílio, a adesão rápida dos três em favor de Ivalton foi um duro golpe. “Jeová foi traído, foi apunhalado por pessoas que ele confiava e que disseram que estavam com ele”, disse.

Jeová Soares

Chocado e comovido com o golpe sofrido, Jeová teria saído chorando da Câmara, sentiu com profundidade o que é ser traído pelos próprios pares, aliados de grupo que haviam declararam seu incondicional apoio. A decepção não é somente pelo simples fato da adesão daqueles que lhe juraram apoio, mas pelo desprezo que têm sofrido e pelo não cumprimento de um prévio acordo com a liderança de seu grupo, em que ele seria o próximo presidente.

Pela representatividade e pelos anos de luta dentro do grupo, não há dúvidas, Jeová foi nocauteado pelo desprezo e pela falta de consideração, já que durante anos pagou duras penas para manter o grupo vivo e a esperança acesa. Não resta dúvidas que ele merecia um tratamento adequado em conformidade com sua importância dentro da ala política, além dos anos de luta e dedicação, mas a partir de hoje ficou claro que suas forças são resumidas e sua importância é minúscula, que o passado de dedicação para manter o grupo de pé não conta em nada, e sim as preferências pelos novos amigos.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
guest
1 Comentário
Antigos
Novos Mais Votados
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Jkb
Jkb
6 meses atrás

Sabe-se o nome desses acordos !!!!. $$$$$$_Kkkkkkk .