Morre Mestre Elias, o Príncipe Negro de Tuntum

Cumprindo missão do Criador pousou em Tuntum após o por do sol a Nave Celestial para resgatar um dos mais ilustre cidadão do nosso torrão, Elias Matos, O MESTRE ELIAS. O Cerimonial do paraíso junto com a milícia celestial embarcaram de volta em voo direto para Região a onde mora as Almas do Justos.


O nosso Mestre era Negro, de estatura mediana, se vestia com elegância, íntegro, afável, excelente chefe de família, educado, sempre aflorando a jovialidade. Essas são as qualidades dessa grande personalidade, o gentleman e bon vivant Mestre Elias. Homem Cordial, media as palavras para se posicionar sobre os temas que discorria, se expressava com clareza, tinha voz pausada e olhava seu interlocutor com profundidade e atenção. O seu timbre de voz aveludada fica gravado em nossa memória, principalmente pela tonalidade educada e suave como imaginamos ser a voz dos anjos, arcanjos e querubins.

Mestre Elias ao lado de Remy da Mata

O nosso Orfeu negro era neto de escravos nasceu em Bacabal, a Capital do Médio Mearim. Na sua trajetória trabalhou na roça, foi engraxate, vendeu banana, doce, bolo e outras guloseimas. Elias aprendeu o ofício de mecânico na caserna quando sentou praça no 24° Batalhão de Caçadores em São Luís, como Cabo Temporário do Glorioso Exército Brasileiro, ele gozava de bom conceito junto aos seus superiores hierárquicos e por isso ele foi designado responsável pela garagem. Como encarregado do parque, tornou-se um mestre em consertos e reparos de motor. Com essa sua simetria e paixão pelas máquinas passou a ser um exímio profissional muito respeitado.

Quando ainda muito jovem foi convidado pelo Prefeito Astolfo Seabra de Carvalho para instalar as primeiras unidades geradoras de energia elétrica em Tuntum (dois grupos geradores MWM-K 2 com capacidade de 50 KVA cada, com esse feito, os munícipes passaram a dispor de energia elétrica das 18:00 as 22:00h, dando descanso aos velhos candeeiros e as lamparinas. Elias tinha como auxiliar os mecânicos Raimundo Dó e Tonheira. Elias foi o chefe do implantado parque energético até 1973 quando foi inaugurada e entrou em operação a usina hidrelétrica de Boa Esperança aposentando assim, os velhos geradores, “os MOTOR” de luz com era chamado pela população.


O velho artífice era também um boêmio, frequentador assíduo dos bares da cidade. Em nossos porres homéricos gostava de cantarolar com a voz que sai do fundo da alma: Nelson Gonçalves, Vicente Celestino, Altemar Dutra, Dolores Duran, Wadick Soriano, Luiz Gonzaga, Demônios da Garoa e Roberto Carlos. A música e a letra por ele interpretadas se transformavam em lágrimas que deslizam suavemente pelo rosto do Príncipe Negro como se fosse uma partitura cheia de lirismo, o decano gostava também de narrar casos e causos hilariantes da política e do cotidiano de Tuntum. 
Era um humanista compassivo, aficionado por jornal, ouvia e assistia todos os dias da voz do Brasil até os televisivos, além de cultivar o bom hábito da leitura (a Bíblia era o seu livro de cabeceira). O mestre Elias foi conseguindo adquirir notáveis conhecimentos, valendo-lhe um nível de excelência na diversidade de seu vocabulário e como dizia Raimundinho Juá “Esse negão é sabido, esse CABA é estrambólico”. Suas frases eram de uma eloquência tamanha que fazia inveja a muitos graduados pelas universidades. Com essa sua desenvoltura vernacular, face do aprendizado recolhido na área da mecânica, a respeitabilidade por esse profissional cresceu e ecoou pelas cidades circunvizinhas a Tuntum que ia, das cidades do Alto Mearim até as regiões dos Cocais.

Os trabalhos do mecânico Elias passaram a ser requisitados nesses quadrantes devido a seu profissionalismo e a garantia na qualidade dos serviços por ele executados. Essa reserva moral, e o seu bom caráter o tornou um legionário conhecido em face do seu oficio, foi por esses ingredientes típicos de sua personalidade, que o povo lhe outorgou o título de MESTRE. Podemos dizer com muito orgulho que, aqui pela nossa cidade morou um ser iluminado, uma estrela reluzente.

A nossa Alteza, com certeza, será abençoadamente bem acolhido na Corte Celestial e que ele nos ajude a superar esses instantes de dor, pela sua partida. Tuntum está consciente que perdeu um homem, cidadão que fazia da sua conduta o esteio para a família e para sociedade. Mestre, tire o seu sorriso largo do caminho que eu quero passar com a minha saudade. Desce ao túmulo a matéria. Na terra ficará a dignidades e seus exemplos. O espíritos está com Deus. No velório não haverá motivos para tristezas e nem choro, a sua missão heroicamente foi cumprido na terra. Elias será o nosso eterno Príncipe Negro. Por Remy da Mata

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
guest
1 Comentário
Antigos
Novos Mais Votados
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Naldo Roots
Naldo Roots
8 meses atrás

Meus pêsames à família em luta da, Mestre Elias ficará pra sempre em nossas memória.