Brasil está fora da lista prioritária de doações internacionais de vacinas

Em reunião do G7 , que ocorreu no último fim de semana, líderes mundiais fecharam um acordo de distribuição de 870 milhões de vacinas contra a covid-19 até o final de 2022. Após o encontro, o consórcio Covax emitiu uma nota com a lista prioritária de recebimento destas doses e o Brasil não fará parte do grupo beneficiado. As informações são do jornalista Jamil Chade.

O entendimento da Organziação das Nações Unidas (ONU) – bem como de Washington e do G7 – é de que o Brasil possui condições para negociar, comprar e pagar pelos imunizantes. Ou seja, uma doação – neste momento – significaria abrir mão de entregar as doses a países menos favorecidos.

Outro ponto que joga contra o recebimento destas doses é o fato do Brasil ter optado por imunizar apenas 10% da sua população com as vacinas doadas pelo consórcio – ou seja, 43 milhões de doses. Dessa maneira, mesmo que o Covax receba uma enorme quantidade de imunizantes doados por outros países, a prioridade seria a entrega aos países africanos ou asiáticos que solicitaram a imunização de 20%, 30% ou 40% das suas populações.

A OMS ressaltou que o ministro da Saúde , Marcelo Queiroga, entrou em contato com o consórcio para que o Brasil aumente a sua parcela de recebimento. Porém, a escassez de vacinas e a alta prioridade aos países que já firmaram acordo com o Covax ‘travaram’ as negociações.

Com a atitude, o Brasil pode ser beneficiado de maneira indireta. Após a entrega das vacinas aos países mais pobres, a expectativa é de que a disponibilidade dos imunizantes aumente entre as farmacêuticas.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email