Lobao

O prefeito Fernando Pessoa comemorou essa semana que passou os seus 100 dias de gestão, mostrando somente o que ele achou de positivo, mas esqueceu de ressaltar algumas dificuldades e situações negativas, entre elas a suspensão das cirurgias eletivas do hospital Rafael Seabra, que já vêm causando muito sofrimento e prejuízo para a população, que vem se virado como pode para não sofrer sérias penalidades, entre elas a perda da vida.

Não há motivos plausíveis para a devida suspensão, mas mesmo que houvesse a Secretaria de Saúde teria a responsabilidade de dar suporte ao paciente com a necessidade da realização do procedimento cirúrgico, neste caso, fazendo o encaminhamento diário para outros centros de atendimento. O que se houve falar, segundo alguns pacientes que já procuraram aquela casa de saúde, é que a suspensão decorre de medidas preventivas contra a Covid-19.

Acontece que o momento mais crítico da pandemia no município ocorreu no ano passado, havendo hoje um número mínimo de casos (veja o boletim abaixo), descartando qualquer medida nesse sentido. Diante da impensada decisão do prefeito em suspender as atividades cirúrgicas, fato muito incomum, já que o município é visto na região como um dos melhores centros de atendimento médico, inclusive na realização de diversos tipos de procedimentos cirúrgicos, a população mais carente e necessitada é quem mais sofre, não tendo a quem recorrer nesse momento difícil.

A editoria do blog colheu informações de que nessa última semana um suposto senhor, que veio do interior, estava há alguns dias internado no hospital Rafael Seabra necessitando de uma cirurgia de hérnia, depois do mesmo está gemendo e gritando porque a hérnia havia se estrangulado, o transferiram para Caxias com possível risco de morte. Muitos pacientes de baixo poder aquisitivo que têm procurado o hospital tem recebido a informação da suspensão do atendimento, causando tristeza e desânimo, já que não esperavam que a situação viesse chegar até esse ponto depois de tantos anos.

Quais seriam os reais motivos da suspensão? Não seria os gastos altos que o município está sem querer arcar nesse momento com um médico cirurgião, anestesista, medicamentos, equipe e toda estrutura? Independente dos valores, o município por meio do prefeito Fernando Pessoa não pode penalisar sua população, já que os recuros continuam a abastecer as contas da Prefeitura, destinados exclusivamente para esse fim. Para o atendimento de Média e Alta Complexidade (MAC), incluindo especificamente as cirurgias, o sistema de saúde tuntunense recebe mensalmente quase R$ 600.000,00. De forma geral entra mensalmente cerca de R$ 1.700.000,00. Se os procedimentos cirúrgicos não estão sendo realizados para onde está indo todo dinheiro?

3 comentários sobre “Tuntum não realiza cirurgias desde março; quase R$ 600 mil entra mensalmente para o atendimento

  1. não sou fã nem do grupo do FP. Mas criticar só por criticar não vale nada pra mim.
    Todos sabem que as cirurgias eletivas foram suspensas no Brasil inteiro por recomendação do Ministério da Saúde, por conta da falta de sedativos que estão rebocados para intubação de pacientes com covid. No estado só se realiza cirurgias de urgência e emergência.

    Criticar isso é muito maria fuxiqeira

    Na minha opinião tem que criticar é os altos gastos de recursos em licitações que se está fazendo…
    nem na época do Tema era tão alto assim.

    • Será se um paciente que sufura apendicite/ernea não é caso urgência e emergência???, ninguém é bobo meu caro leitor, por favor não queira tapar o sol com peneira, claro, independentemente de grupo político.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.